PARANOA PARQUE

ITAPOÃ

PARANOÁ

Top mais NPP

Brasilia

Você está aqui

Governo trabalha para evitar 7 a 1; PMDB estranha silêncio de Lula

O silêncio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou desconfiado o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Em conversas reservadas, Renan disse que não fala com Lula desde março. O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), também afirmou não ter sido procurado pelo ex-presidente


"Achei até estranho", observou Eunício, que foi ministro das Comunicações no governo Lula. Nos bastidores, o comentário é que o petista considera muito difícil, no atual cenário, barrar a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara.

Tudo está sendo feito, porém, para evitar uma derrota humilhante. "Não pode ser um 7 a 1 porque, se for assim, não há chance de segurar no Senado", disse um auxiliar de Dilma, em referência à goleada da Alemanha sobre o Brasil, na Copa do Mundo de 2014.

Eunício é o nome mais cotado para ser, no Senado, o relator do parecer que analisará o pedido de afastamento de Dilma, caso o processo seja mesmo aprovado pela Câmara. Sempre teve bom relacionamento com Lula, mas, nos últimos tempos, está distante.

Em março, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o senador disse que, se a situação de Dilma se complicasse, o vice-presidente Michel Temer e o PMDB estavam "preparados" para assumir. Apesar da declaração, Eunício fez coro com Renan e achou "precipitada" a decisão do PMDB de antecipar a reunião do Diretório Nacional para selar o rompimento com o governo, no último dia 29.

Impedido de despachar no Planalto por causa da nomeação suspensa para a chefia da Casa Civil, Lula passou esta quarta-feira, 14, recebendo deputados e dirigentes de partidos da base aliada no hotel Royal Tulip, transformado em Q.G das negociações para derrubar o impeachment.

À tarde, ele conversou novamente com o presidente do PR, Valdemar Costa Neto, que foi condenado no caso do mensalão e chegou a cumprir pena.

Mais da metade da bancada do PR - composta por 40 deputados - ameaça votar a favor do afastamento de Dilma, engrossando a lista dos aliados dissidentes.

Embora avalie a situação de Dilma como "muito complicada", Lula ainda não jogou a toalha. Nos encontros que tem mantido com políticos, ele recorre a uma frase de impacto: "Pense que você será responsabilizado pelo que acontecer neste País".

Os movimentos do ex-presidente, porém, ainda provocam dúvidas até mesmo no Palácio do Planalto. Na sexta-feira, por exemplo, ao participar de um encontro com estudantes e profissionais da Educação, em São Paulo, Lula reiterou críticas a Dilma e à política econômica do governo.

"Eu fico pensando porque a Dilma incomoda tanto a eles. A Dilma deveria estar incomodando a nós, que não gostamos do pacote de reforma que ela apresentou no final do ano", afirmou o ex-presidente na ocasião. "Nós queremos ajudar a Dilma a mudar, a fazer uma política que possa ter esperança para o nosso povo. Não queremos um ajuste que só faça corte, corte, corte. Não somos tesourinha. Nós queremos um ajuste que faça crescimento, crescimento, crescimento."


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Curtir ALEX ALVES

ALEX ALVES

Postagem em destaque

Novas paradas de ônibus foram instaladas no Paranoá Parque!

As primeiras paradas foram instaladas no Paranoá Parque, atendendo demanda antiga dos moradores, ao total dez abrigos foram colocados em...

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Vizualizações